Publicado em: 26/11/2019 16h54 – Atualizado em: 26/11/2019 18h32

Operação TRUNK: Decisão da 3ª Vara Federal indefere novo pedido de liberdade de líder da Máfia do Cigarro

 

 José Antônio Mizael Alves foi preso em julho na Operação Trunk; grupo aliciava policiais para facilitar crime

Decisão do Juiz da 3ª Vara Federal indeferiu novamente o pedido de revogação de prisão preventiva de José Antônio Mizael Alves, apontado como um dos líderes de quadrilha especializada em contrabando de cigarros e corrupção de agentes públicos.

José Antônio foi preso no dia 31 de julho, no cumprimento de mandados da Operação Trunk, da Polícia Federal. No dia 20 de agosto, ele e mais 15 pessoas foram denunciadas pelos crimes de contrabando, corrupção ativa e organização criminosa. Entre os denunciados, policiais rodoviários federais que, conforme denúncia, aceitavam propina para facilitar a passagem dos produtos.

A defesa de José Antônio alegou que ele é primário, tem bons antecedentes, residência fixa e tem ocupação lícita como empresário. Por isso, não é necessária a manutenção da prisão, sendo suficiente a fixação de medidas cautelares diversas.

O MPF (Ministério Público Federal) opinou pela manutenção da prisão preventiva.

A decisão, publicada no Diário de Justiça de hoje (26/11), considerou que se mantêm os fundamentos da prisão “demonstrado em extensos diálogos telefônicos mantidos pelo acusado, além de diligências de campo efetuadas pela Polícia Federal”.

Conforme interceptações telefônicas, há indícios de que empresário financiava cargas contrabandeadas, atuando como “batedor”, controlando a logística dos transportes e, juntamente ao outro líder, Entre julho de 2018 a março de 2019, foram aprendidos quatorze caminhões e dois carros de passeios, todos lotados de cigarro. Durante oito meses de investigação, o prejuízo ao erário público foi calculado em R$ 42 milhões. Num único flagrante, a carga foi avaliada em R$ 3 milhões.

Autos: 5009758-71.2019.4.03.6000